Prof. Dr. Osmar Castro

Especialista, Mestre e Doutor em Prótese Dentária USP

Prof.Dr. Osmar Castro é Professor do Curso de Mestrado em Prótese Dentária da São Leopoldo Mandic e autor de dois livros de Prótese Dentária. Formado há 30 anos tem consultório particular em Moema -São Paulo. (11) 55311032

Dente de porcelana sem metal

Mesmo em dentes posteriores as vezes se opta por dentes totalmente cerâmicos sem metal. Nessa foto a paciente é cantora e embora o dente seja inferior e com pouca visibilidade na região gengival, devido a sua profissão passa a ser uma área que pode ser observada por câmeras de vídeo de alta definição. Por isso uma coroa totalmente cerâmica foi indicada o que vai fazer com que a reflexão da luz na área gengival seja de um tom mais claro do que com coroas metalocerâmicas (metal e porcelana) que pode resultar em um escurecimento da gengiva, principalmente naquelas em que o biotipo gengival for mais fino. Na superfície de cima do dente (oclusal) foi feita uma pequena caracterização do sulco principal com uma cor mais alaranjada o que resultou em um dente com uma grande naturalidade. Atualmente os especialistas em prótese dentária tem a sua mão uma gama de cerâmicas de alta resistência que conseguem suportar as cargas mastigatórias dos dentes anteriores e posteriores. É preciso uma parceria com um protético ceramista que conheça as várias possibilidades estéticas das cerâmicas para se obter um resultado imperceptível e o mais natural possível.

Especialista em prótese responde: Próteses em resina ou porcelana?

As próteses fixas sobre implantes são como dentaduras parafusadas que visam substituir o osso, a gengiva  e os dentes perdidos. O tipo de material (resina ou porcelana) depende de vários fatores como: custo, número e tamanho dos implantes, peso da prótese, dentes antagonistas, tipo de osso e presença ou ausência de hábitos parafuncionais. As principais vantagens da cerâmica são: estabilidade de cor, resistência ao desgaste (manutenção da DVO) e possibilidade de personalização. Já as principais vantagens da resina são: custo mais baixo, facilidade de consertos e dureza menor (melhor absorção dos impactos da forças mastigatórias), consequentemente menor transmissão das forças para os implantes. 

Especialista em prótese responde: coroa dentária sem metal é resistente?

Hoje as coroas conhecidas como metalfree, ou seja, totalmente de porcelana, chegaram a um nível de resistência suficiente para aguentar as cargas mastigatórias. Na foto uma coroa de e.max aonde uma infraestrutura de dissilicato de lítio dá resistência a porcelana. Internamente, antes da cimentação, essa coroa é preparada para se obter microretenções internas que ajudarão na retenção da coroa ao cimento resinoso. Dentes metalfree também estão sendo confeccionados com infraestrutura em zircônia que é ainda mais dura que o dissilicato de lítio, mas nem sempre essa dureza é benéfica e a melhor indicação do material deve ser analisada caso a caso. 

Prótese de porcelana sem metal (metalfree)

Essa prótese dentária do pré-molar é uma coroa de porcelana livre de metal com uma infraestrutura de dissilicato de lítio (e.max). A cimentação é adesiva e foi feita com cimento dual. (Caso realizado no consultório dentário em Moema). OBS. O molar posterior é uma coroa antiga (metalocerâmica)que está com sobrecontorno e mais clara que os dentes naturais e será trocada por uma coroa livre de metal.

Odontogeriatra: uma abordagem odontológica especial

O odontogeriatra e os dentistas profissionais que atendem muitos pacientes idosos devem ter uma abordagem no planejamento de um modo todo especial. O planejamento deve ser feito levando-se em consideração fatores como saúde geral do paciente, grau de independência, facilidade de locomoção e motivação ao tratamento. Muitas vezes o paciente idoso nos procura para o tratamento de um único dente como é o caso dessa foto. Em alguns casos tratamentos extensos não são indicados e uma abordagem de manutenção dos trabalhos existentes através de controles periódicos, radiografias e aplicações de flúor são preferidas. A decisão do melhor tipo de tratamento para o idoso é decidido após uma análise de vários fatores mas sempre com o objetivo de buscar o melhor para o paciente naquela fase da vida. 

Implantes dentários – cicatrizadores

Esse é um caso de um paciente do meu consultório odontológico de Indaiatuba aonde foram instalados 3 implantes dentários. Após 6 meses esses implantes foram expostos e 3 cicatrizadores foram colocados. Os cicatrizadores condicionam a gengiva ao redor dos implantes conferindo um perfil gengival para a prótese. Nessa fase é avaliada a altura da cinta dos pilares prótéticos (mini-pilar ou microunit), para que a prótese não fique muito subgengival nem ocorra o aparecimento da cinta metálica do pilar protético. Observe que esse paciente possui um biotipo gengival favorável (gengiva espessa) o que torna o prognóstico estético e funcional mais favorável.

Prótese fixa sobre implantes e dentes

Recebi essa paciente em meu consultório odontológico em Moema com implantes mal posicionados e implantes que não são indicados para próteses fixas, em ambos os lados. O planejamento que decidi fazer foi o de unir a prótese sobre implantes a um dente natural. Biomecanicamente essas duas próteses trabalham de forma diferente. Os dentes devido a gonfose possui uma intrusão em torno de 10 a 100 mícrons em direção apical, enquanto o implante osseointegrado ao osso tem intrusão próxima a zero. Para compensar essa diferença planejei uma prótese fixa com uma conexão semi-rígida onde a fêmea se localiza na prótese fixa do dente natural e o macho na prótese fixa sobre implante o que possibilitará a intrusão natural do dente durante o ato mastigatório e não levará cargas maléficas aos implantes. Devido a possibilidade de perda dos implantes do outro lado feito por outro profissional, planejei na própria prótese fixa uma passagem para um grampo de removível pois a paciente não demonstrou interesse em refazer os implantes dentários caso esses venham a se perder. Essa passagem para o grampo foi fechada com resina composta para não evidenciar o metal e poderá ser removida se do outro lado futuramente tiver que ser substituída com uma prótese removível. Embora os 2 implantes anteriores não sejam indicados para uma prótese fixa, optei por prepará-los dando paralelismo e confeccionei uma nova prótese cimentada, corrigindo  assim a desadaptação da prótese antiga, aumentando o prognóstico da longevidade da prótese. Sempre comento com meus alunos que fazer prótese é fácil, o difícil é refazer. O planejamento de uma prótese dentária deve ser feito com carinho e cuidado, para que o paciente não sofra com repetições de próteses que via de regra são onerosas e requerem muito tempo para serem feitas.

Implante dentário

O especialista em implantes dentários tem que estar atento a questões mecânicas no planejamento das próteses dentárias. Nesta foto observe que do lado direito do paciente será uma prótese fixa de 3 dentes mas existe dentes posteriores presentes. Já no lado esquerdo do paciente uma prótese fixa de 3 dentes de porcelana será feita mas não existe dentes posteriores a ela. Observe pela posição dos transferentes que do lado direito os implantes estão alinhados pois a carga biomecânica será menos exigida pela proteção extra que os dentes naturais posteriores presentes darão. Além disso, devido a presença dos dentes naturais posteriores, o  ajuste oclusal na prótese fixa deverá resultar em um pequeno alívio suficiente para compensar a gonfose dos dentes naturais. Já do lado esquerdo, como se observa pelos transferentes, os implantes dentários foram instalados levemente desalinhados para permitir uma maior estabilidade nas cargas laterais, já que eles não possuem dentes naturais posteriores e receberão maiores cargas oclusais. Diferente do outro lado, pelo fato de não terem dentes posteriores a prótese fixa, o ajuste oclusal será feito sem nenhum tipo de alívio já que a prótese fixa sobre implantes será a responsável pela manutenção da dimensão vertical desse lado.

Implante zigomático

O implante ancorado no osso zigomático é uma das últimas alternativas de um paciente que quer uma prótese fixa sobre implantes e não tem osso disponível. Ele por ser anatomicamente um Cant Lever anterior deve ser esplintado na carga imediata  pois cargas laterais aplicadas sobre ele individualmente são arriscadas, por isso ele deve ser unido a outros implantes o mais rápido possível (carga imediata). A cirurgia de implante do zigomático deve ser feita  em ambiente hospitalar com anestesia geral e com um planejamento profundo da tomografia computadorizada. Os implantes para o osso zigomático são implantes de titânio longos (podem variar normalmente de 3 a 5 cm) são fixados no osso zigomático  nos dois lados para possibilitar a instalação de uma prótese fixa (que será parafusada sobre os implantes zigomáticos e os implantes anteriores). O uso de protótipos em resina também são indicados para auxiliar no planejamento. O paciente deve ser esclarecido da maior morbidade que esse tipo de tratamento oferece assim como suas possíveis complicações. A saída do implante zigomático resulta em implantes mais para anterior (geralmente região dos segundos prés e por já se tratar de um Cant Lever não é indicado um Cant lever na prótese o que resultará em uma prótese mais curta.

Estética dentária

Nesse caso uma preparação prévia da forma dos dentes foi realizada antes do clareamento dentário e remoção das áreas brancas de descalcificação. Existe ausência do canino (dente 13), com técnica direta em resina o pré-molar foi transformado visualmente em canino. Uma ameloplastia foi realizada no incisivo central direito (21) e a guia anterior foi corrigida. A ponta do canino esquerda (23) foi reduzida após a análise da guia canino. Na próxima etapa será realizado um clareamento dentário, remoção das manchas brancas dos incisivos, diminuição da ameia entre o 21 e 22 e resina na incisal do 41. Após a conclusão do caso publicarei no post.